Inicial Institucional Empresa Candidato Vagas Anunciadas
Retenção de Talentos - O caroço da ameixa

 

Por Cladismari Zambon

 

Às vezes é bom reler algumas antigas reflexões e ver o que crescemos, o que mudamos e o que continua fazendo todo sentido do mundo. Ver o que faríamos diferente e o que só agora conseguimos apreender o real significado daquilo que até parecia meio “maluquice” fora de hora. Pois bem, lembrei de um texto que escrevi tempos atrás, e fui “pescar” entre meus guardados a forma como pensei em escrevê-lo. É uma experiência interessante...

Pois bem, o texto toma por base uma crônica chamada Edmundo, o Céptico (Quadrante 1, Editora do Autor, Rio de Janeiro, 1962, pag.122), escrita por Cecília Meireles. Cecília Meireles, além de ser um grande nome na poesia, escreveu quase 2500 crônicas ao longo de sua vida. Vou citar alguns trechos desta crônica e partilhar com vocês uma reflexão que hoje, mais do que nunca, se faz necessária.

Edmundo, o Céptico fala de um menino que não acreditava em nada que os adultos lhe diziam. Era chamado de teimoso quando o seu desejo era simplesmente descobrir suas próprias verdades através de suas próprias experiências. Apesar das recomendações dos adultos, quebrou os dentes tentando extrair o melzinho do caroço de ameixa. Em outro momento quase se afogou numa pipa de água. Fazia muitas perguntas mas não se satisfazia com as respostas. Dava trabalho na escola, nas festas, shows de mágica não tinham sentido para ele. Não admitia mentira e morreu cedo. “E quem sabe, meu Deus, com que verdades?”

É claro que toda crônica retrata um determinado contexto sócio-político e esta retrata uma situação bem peculiar que se experimentava na era Vargas. Mas... será que Edmundo ainda vive? Eu sinceramente espero manter o Edmundo vivo dentro de mim e espero cutucar os Edmundos que encontro em meu caminho. São os Edmundos inconformados com o conformismo do que está pronto. Estes realmente são possuidores do conhecimento e da verdade. São capazes de arriscar e questionar. Para eles não servem respostas prontas, estas já foram derrubadas, já não respondem às novas questões. Como diria Bob Marley... quando se pensa que tem todas as respostas a vida se encarrega de mudar todas as perguntas. E aí? Que fazer? Se as únicas respostas são as dos manuais, dos livros ou do Dr. Google, conhecedor de todas as coisas?

Não, Dr. Google não sabe tudo, nem Freud explica, nem todas nossas teorias e paradigmas são suficientes. Às vezes precisamos correr o risco de quebrar os dentes em busca do que realmente faz sentido (o melzinho do caroço de ameixa). Mas muito cuidado, nossa porção Edmundo não nos afasta do mundo, pelo contrário. Por mais que Edmundo não aceitasse tudo que vinha do mundo dos adultos, pertencia a ele, era do mundo (E-d-mundo), apenas tinha uma outra versão e uma outra visão do que experimentava. E tudo que é diferente... assusta, incomoda, desacomoda. Toda mudança aponta para GAPS que nem sempre quero reconhecer... E o resultado todos conhecemos: resistência!

Vocês devem estar se perguntando... onde ela quer chegar com tudo isso?

Pois bem, acho que tenho muito de Edmundo e não consigo ver ninguém confortável. Afinal... todo avanço tecnológico de nossas empresas só aconteceu (e continua a acontecer) por obra de Edmundos inconformados com os recursos (verdades) do seu tempo. E todo gestor sabe disso. Se tentar aprisionar suas equipes em metas e procedimentos sem vazão para a própria experiência logo terá pessoas desmotivadas e pouco colaborativas. E essa é a morte do Edmundo com todas as suas verdades. E esse Edmundo formado em nossas empresas (a um custo altíssimo) vai para a concorrência com todas suas “verdades”. E se encontrar ressonância em outros Edmundos abertos para a mudança...



Publicação: 06/02/2012 14:47:36
Copyright © STAFF'S. Proibida a reprodução total ou parcial sem autorização.
Versão 1.0 - desenvolvido por MEDsistemas.